sábado, mayo 21, 2011

En un tiempo como el nuestro, Fernando Pessoa...

El 21 de mayo de 1917, Fernando Pessoa escribía en sus cuadernos esta reflexión —simple, pero al mismo tiempo pasmosa por su intemporalidad y precisión— que tradujera hace un año en esta entrada del blog. junto con uno de los cuatro poemas de Alberto Caeiro de idéntica fecha que presento hoy:

 

Alberto Caeiro (21-05-1917)

Eu queria ter o tempo e o sossego suficientes

Yo querría tener el tiempo y el sosiego suficientes
para no pensar en cosa alguna,
para ni siquiera sentir vivir,
para solo saber de mí, reflejado en los ojos de los otros

Eu queria ter o tempo e o sossego suficientes
Para não pensar em coisa nenhuma,
Para nem me sentir viver,
Para só saber de mim nos olhos dos outros, reflectido.

21-5-1917
“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Recolha, transcrição e notas de Teresa Sobral Cunha.) Lisboa: Presença, 1994. - 134.

 

Alberto Caeiro (21-05-1917)

Leram-me hoje S. Francisco de Assis.

Hoy me leyeron a San Francisco de Asís.
Me lo leyeron y quedé pasmado.
¿Cómo un hombre a quien gustaban tanto las cosas,
nunca miraba hacia ellas, no sabía lo que ellas eran?

¿Para qué habría de llamar hermana mía al agua, si ella no es mi hermana?
¿Para sentirla mejor?
La siento mejor bebiéndola que llamándola de cualquier manera.
Hermana o madre o hija.
El agua es agua y es bella por eso.
Si yo la llamara mi hermana,
Al llamarle mi hermana, veo que no lo es
y que si ella es agua mejor es llamarla agua;
O, mejor incluso, no llamarla de ningún modo,
sino beberla, sentirla en las pulsaciones, mirar hacia ella
y todo esto sin nombre alguno.

Leram-me hoje S. Francisco de Assis.
Leram-me e pasmei.
Como é que um homem que gostava tanto das coisas,
Nunca olhava para elas, não sabia o que elas eram?

Para que havia de chamar minha irmã à água, se ela não é minha irmã?
Para a sentir melhor?
Sinto-a melhor bebendo-a do que chamando-lhe qualquer coisa.
Irmã, ou mãe, ou filha.
A água é a água e é bela por isso.
Se eu lhe chamar minha irmã,
Ao chamar-lhe minha irmã, vejo que o não é
E que se ela é a água o melhor é chamar-lhe água;
Ou, melhor ainda, não lhe chamar coisa nenhuma,
Mas bebê-la, senti-la nos pulsos, olhar para ela
E isto sem nome nenhum.

21-5-1917
“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Recolha, transcrição e notas de Teresa Sobral Cunha.) Lisboa: Presença, 1994. - 133.

 

Alberto Caeiro (21-05-1917)

Sempre que penso uma coisa, traio-a

Siempre que pienso una cosa, la traigo.
Solo teniéndola ante mí debo pensar en ella.
No pensando, sino viendo,
no con el pensamiento, sino con los ojos.
Una cosa que es visible existe para verse,
y cuanto existe para los ojos no tiene que existir para el pensamiento;
solo existe verdaderamente para el pensamiento y no para los ojos.

Miro, y las cosas existen.
Pienso y solo yo existo.

Sempre que penso uma coisa, traio-a.
Só tendo-a diante de mim devo pensar nela.
Não pensando, mas vendo,
Não com o pensamento, mas com os olhos.
Uma coisa que é visível existe para se ver,
E o que existe para os olhos não tem que existir para o pensamento;
Só existe verdadeiramente para o pensamento e não para os olhos.

Olho, e as coisas existem.
Penso e existo só eu.

21-5-1917
“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Recolha, transcrição e notas de Teresa Sobral Cunha.) Lisboa: Presença, 1994. - 134.

No hay comentarios.: