domingo, junio 05, 2011

"Dicen que en cada cosa una cosa oculta mora." (Alberto Caeiro)

Dos de los "Poemas inconjuntos" de Alberto Caeiro fueron escritos un cinco de junio de 1922, traduzco, a continuación, uno de ellos:

 

Alberto Caeiro (05-06-1922)

Dizem que em cada coisa uma coisa oculta mora

Dicen que en cada cosa una cosa oculta mora.
Sí, es ella misma, la cosa sin ser oculta,
lo que en ella mora.

Pero yo, con conciencia y sensaciones y pensamiento,
¿seré como una cosa?
¿Qué hay de más o de menos en mí?
Sería bueno y feliz si fuese tan solo mi cuerpo —
Pero soy también otra cosa, más o menos que sólo eso.
¿Qué cosa de más o de menos es que soy yo?

El viento sopla sin saber.
La planta vive sin saber.
También yo vivo sin saber, mas sé que vivo.
Pero, ¿sabré que vivo o sólo sabré que lo sé?
Nazco, vivo, muero por un destino que no rijo,
siento, pienso, me muevo por una fuerza exterior a mí.
Entonces, ¿quién soy yo?

¿Soy, cuerpo y alma, el exterior de un interior cualquiera?
¿O es mi alma la conciencia de la fuerza universal
de que mi cuerpo por dentro, es diferente a los demás?
¿Y en medio de todo, dónde estoy yo?

Muerto mi cuerpo,
deshecho mi cerebro,
en cosa abstracta, impersonal, sin forma,
no siente ya el yo que yo tengo,
no piensa ya mi cerebro los pensamientos que yo siento míos,
no se mueven ya por voluntad mía las manos mías que yo muevo.

¿Cesaré así? No lo sé.
Si hubiere de cesar así, tener pena de así cesar,
no me tornará inmortal.

Dizem que em cada coisa uma coisa oculta mora.
Sim, é ela própria, a coisa sem ser oculta,
Que mora nela.

Mas eu, com consciência e sensações e pensamento,
Serei como uma coisa?
Que há a mais ou a menos em mim?
Seria bom e feliz se eu fosse só o meu corpo —
Mas sou também outra coisa, mais ou menos que só isso.
Que coisa a mais ou a menos é que eu sou?

O vento sopra sem saber.
A planta vive sem saber.
Eu também vivo sem saber, mas sei que vivo.
Mas saberei que vivo, ou só saberei que o sei?
Nasço, vivo, morro por um destino em que não mando,
Sinto, penso, movo-me por uma força exterior a mim.
Então quem sou eu?

Sou, corpo e alma, o exterior de um interior qualquer?
Ou a minha alma é a consciência que a força universal
Tem do meu corpo por dentro, ser diferente dos outros?
No meio de tudo onde estou eu?

Morto o meu corpo,
Desfeito o meu cérebro,
Em coisa abstracta, impessoal, sem forma,
Já não sente o eu que eu tenho,
Já não pensa com o meu cérebro os pensamentos que eu sinto meus,
Já não move pela minha vontade as minhas mãos que eu movo.

Cessarei assim? Não sei.
Se tiver de cessar assim, ter pena de assim cessar,
Não me tornará imortal.

5-6-1922
“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Recolha, transcrição e notas de Teresa Sobral Cunha.) Lisboa: Presença, 1994. - 120.

1 comentario:

Manuela Fernández Santamaría dijo...

Las eternas preguntas sobre la propia existencia....